Como chegar às ilhas Gili

Gili Trawagan é a maior e onde o turismo é mais desenvolvido, mas mesmo assim, ainda é um lugar onde veículos motorizados não entram e a vida pode ser calma ainda. Existem baladas à noite, na região mais central, próxima do píer, mas não muito longe dali, dá pra encontrar tranquilidade. As Ilhas Gili Meno e Gili Air, ficam bem perto da vizinha maior, e são mais calmas ainda.

Gili Meno vista de Gili Trawagan.

Gili Meno vista de Gili Trawagan.

Existem 3 formas para chegar até as ilhas Gili e a maioria delas chega direto em Trawagan. Caso vá para alguma das outras 2, pode ser via Tragawan, ou negociar uma lancha rápida direto para um delas.

De lancha rápida:
Essa é a forma mais utilizada pelas pessoas que chegam em Gili. É barata e a mais rápida. 
Existem 2 portos mais utilizados de onde saem barcos para as ilhas Gili: o Padang, que fica um pouco mais perto de Ubud e o Sanur, mais perto do aeroporto de Denpasar. A escolha vai depender de onde vcs estiver, em Bali.
Nós estávamos em Ubud, então o Padang seria o mais indicado. Seria 1:30h de transfer até o porto e mais 1 hora de barco. Várias empresas e hotéis vendem o pacote com os 2 trechos já incluídos. Chegamos a receber ofertas de 450K (rúpias) por pessoa, cobrando os meninos também. Mas depois de andarmos um pouco pela cidade e pesquisarmos, vimos que o mais frequente era cobrarem 250k por pessoa sem contar os meninos. 

De ferry/slow boat:

Existe um barco mais lento e mais barato que sai do porto e demora entre 4 e 6 horas, segundo a informação que recebemos. Não sei mais detalhes, mas analisando que o traslado total, com lancha rápida ficaria em torno de 20 dólares/ pessoa, acho que só valeria a pena para alguém que tiver o budget bem reduzido mesmo. Quem tem problemas com enjôos em barco, deve levar isso em conta também, no momento de escolher.

De avião:

Essa opção seria, ao meu ver, pra quem prefere ficar pouco tempo em alto mar, para chegar a Gili, já que é a opção mais cara e bem demorada, se contarmos o tempo de antecedência para o check-in no aeroporto.
Foi a opção que utilizamos, porque, devido às condições das ondas, os barcos rápido e estavam cancelados. Era a única forma que existia para chegarmos à ilha, naquele momento. Isso não é comum de acontecer. Nossa primeira opção era a lancha rápida.
Vamos lá aos detalhes da nossa experiência até chegarmos ao tão esperado paraíso: 
Os vôos saem de Bali, aeroporto de Denpasar para Lombok. De Lá, precisa pegar um táxi por 2 horas até o Porto Bangsal de onde sai um barco para Gili.

20180728_155407.jpg

Sobre o vôo, fomos com a Garuda. Apesar do atraso, o avião foi ótimo e teve até serviço de bordo. O percurso dura 25 minutos. Quando for pesquisar, vai ver que eles mostram o vôo como se durasse 45 min ou 1 hora e as outras companhias mostram os 25 min. A Garuda inclui o tempo que levam para embarcar, no total do tempo do vôo. Pagamos U$60,00/pessoa, ida e volta. A nossa sorte foi que compramos a volta porque quando chegou a nossa data de retorno, o trajeto de barco Bali/Gili, ainda estava fechado.

Aeroporto de Lombok.

Aeroporto de Lombok.

Sobre o restante do percurso de carro e barco:
Na ida, nós pagamos 600K (rúpias) no táxi desde o aeroporto, que leva 2 horas + 400K (rúpias) numa lancha rápida privada que durou 15 minutos até Gili Tragawan. Quem fez a reserva de todo o transfer foi o dono do nosso hotel. O preço inicial era 1200K por tudo e 1000K foi o máximo que consefui barganhar com ele. Achei o táxi bem abusibo. Mas não tínhamos outra opção, já que chegaríamos tarde e foi o único vôo que encontramos de última hora. Para mais detalhes sobre os imprevistos que tivemos para ir a Gili, clique aqui.

O Porto Bangsal, em Lombok fecha às 17h, por isso tivemos que pegar um barco privado para atravessar, mas se chegar em horário comercial, é só pagar e pegar um barco comum, na hora. Os barcos públicos saem quando têm um mínimo de 40 pessoas, e saem o tempo todo. Muita gente mora em Lombok e trabalha em Gili e muita coisa de Gili vai por esses barcos. Assim, eles funcionam o dia todo e enchem rápido. 
Na hora de se programar é sempre bom contar com possível atraso no vôo, que é muito comum. O nosso atrasou mais de 1 hora. 
Isso tudo serve lara Gili Trawagan. Para as outras 2 (Gili Air e Gili Meno), o melhor seria ir de lancha rápida que já te deixa lá direto. Caso queria ir pra Tragawan e depois passar uns dias em Meno, ou Air, dá pra casar o transporte com um passeio de barco com snorkel. O barqueiro pode te deixar em uma de 2 ilhas ao final.

Nós no barco púplico de Gili Trawagan para Lombok.

Nós no barco púplico de Gili Trawagan para Lombok.

Na volta, pagamos 15k no barco público que demorou 30 minutos e foi bem mais tranquilo em relação às ondas gigantes (que não são comuns, mas estavam acontecendo naqueles dias), e 350K no táxi. Reservamos o táxi no guichê onde compramos os tickets do barco público. Pagamos lá mesmo e a moça nos deu um voucher que entregamos ao motorista

Ticket Office onde são vendidas as passagens de barco em Gili Trawagan e também o transfer de táxi.

Ticket Office onde são vendidas as passagens de barco em Gili Trawagan e também o transfer de táxi.

quando chegamos ao porto em Lombok. Encontramos o motorista no Café Lombok, logo na saída do Porto. Lá havia vários taxistas oferecendo o serviço, então dá pra pegar direto lá também, se quiser. Se quiser atravessar de barco com lancha rápida compartilhada, custa 85K por pessoa e também dá pra pagar no guichê que vende o ingresso do público. Não achamos que vale a pena. O barco público foi bem tranquilo, fácil e saiu bem rápido.

Onde ficar em Ubud - Bali

Existem muitas vilas com piscina compartilhada, em Bali, como a primeira hospedagem em que ficamos em Ubud. Funcionam como hotéis, mas coma privacidade e espaço de Airbnb. Servem café da manhã, fazem limpeza diária e algumas servem refeições, como a nossa. 

20180717_134627.jpg
Vista da piscina com uma plantação de arroz ao fundo.

Vista da piscina com uma plantação de arroz ao fundo.

Brincando de bolinhas de sabão no quintal.

Brincando de bolinhas de sabão no quintal.

Dia em que cozinhamos em casa. O arroz vermelho daqui é uma delícia!

Dia em que cozinhamos em casa. O arroz vermelho daqui é uma delícia!

Em geral, são um pouco afastadas do centrinho, e muitas ficam a "walking distance". A nossa, que ficava ao sul da parte principal da cidade, dava para ir andando, em teoria, mas o caminho era bem ruim, sem calçada e sem acostamento. É bem fácil conseguir taxi para ir e vir, mas não tínhamos muita paciência com eles. Toda vez, tínhamos que fazer a maior negociação do preço, porque sempre queriam nos cobrar mais caro. (isso foi algo que nos incomodou na cidade, que aconteceu quando tentamos reservar os passeios também, uma sensação de que sempre estavam querendo ganhar algo a mais. Vale a pena pesquisar os passeios em vários lugares para se ter uma ideia melhor do que seria o preço real).

O quadrilátero amarelinho é a região mais central da cidade.

O quadrilátero amarelinho é a região mais central da cidade.

Recomendo ficar na parte mais ao norte do centrinho, porque os caminhos são melhores, mais movimentados, com lojinhas e restaurantes no entorno. No mapa acima dá pra ver a Ubud Yoga House. Clique aqui para ver uma resenha sobre o lugar.

A nossa vila custou U$50,00 já incluindo o café da manhã e a limpeza diária. Em baixa temporada, dá para pagar ainda menos do que isso e a casa em si era muito gostosa. O local chama-se T House Klod.

  • Para não errar no Airbnb, sempre faço filtro do local que quero (depois de pesquisar na internet, que dessa vez não acertei tanto) e analiso as notas dos hóspedes anteriores. Algo super importante é a quantidade de avaliações. Hospedagens com boas notas, mas com poucas avaliações, nem sempre são tão boas assim.

Como ficamos bastante tempo na cidade, resolvemos nos mudar para um hotel mais central. Escolhemos um perto da floresta de macacos em que os bichinhos vinham nos visitar no período da manhã. Os meninos adoraram e nem precisamos ir até a floresta em si. Ficamos no Wenara Bangalôs.

Wenara Bali Bangalows

Wenara Bali Bangalows

Nosso visitante.

Nosso visitante.

Tivemos um imprevisto com o plano de ir para Gili Trawagan e precisamos ficar uns dias a mais do que o planejado em Ubud. Como já havíamos rodado toda a cidade, por vários dias, resolvemos nos mudar para o local que mais gostamos: a parte ao norte do centrinho. Escolhemos o Alas Petulu Cottages. Ficamos em quarto comum, mas eles também têm vilas. É um hotel pequeno, com uma piscina bem gostosa que era quase só nossa. Adoramos e voltaríamos!!!

Piscina de crianças do Alas Petulu Cottage

Piscina de crianças do Alas Petulu Cottage