Malas para o Sabático com crianças

 

20190929_174709.jpg
  • Mala de rodinhas ou mochila?

Malas grandes com 23Kg cada e mochilas de mão com 5 Kg, cada. As 2 mochilinhas das crianças pesam 5Kg, juntas.

Malas grandes com 23Kg cada e mochilas de mão com 5 Kg, cada. As 2 mochilinhas das crianças pesam 5Kg, juntas.

No primeiro momento, o plano era levar 2 mochilões.  Com a experiência de viagem anteriores com os meninos, vimos que essa opção não seria o ideal, já que ficaria bem pesado carregar 20kg e mais os meninos ou as mochilas de mão, pra cada um. 
Decidimos por um mochilão e uma mala de rodinhas. Nos deslocamentos, o Rafa leva as 2 malas e eu empurro o carrinho com os meninos e levo uma mochila de mão nas costas e outra pendurada no carrinho. Depois que as malas são despachadas, cada um de nós leva uma mochila.

  • Levar ou não o carrinho de bebês?

O carrinho fecha como uma única peça e pesa 10Kg. Usamos muito nas cidades e também durante os deslocamentos. Ele carrega as crianças e ajuda com as malas menores, que penduramos nele. Foto: saída da ilha de Ko Phiphi, indo do hotel para o ferry.

O carrinho fecha como uma única peça e pesa 10Kg. Usamos muito nas cidades e também durante os deslocamentos. Ele carrega as crianças e ajuda com as malas menores, que penduramos nele. Foto: saída da ilha de Ko Phiphi, indo do hotel para o ferry.

Chegamos a pensar em não levar o carrinho. A grande questão é que ele dá um super trabalho em locais de pouca acessibilidade, mas ao mesmo tempo, é a salvação nos locais em que ruas são boas e encontramos elevadores. Fomos de férias pra Itália um pouco antes do sabático e usamos tanto o carrinho que decidimos levá-lo.
Ele é ótimo em algumas situações, com as super sonecas da tarde e o descanso de não termos que carregar nossos coleiros em alguns dias, contra o perrengue em outras em que temos que carregar os meninos e o carrinho... enfim, no balanço geral, estamos achando que vale muito a pena. Nos deslocamentos maiores, está sendo fundamental para conseguirmos carregar os meninos e as bagagens. Agora, na Europa, estamos usando muito!

  • O que levar nas malas?

Pra começar, tenho que dizer que a maior parte da bagagem é de coisas das crianças. rs Vou separar em alguns tópicos.
- remédios: Importante ver com o pediatra, mas é uma parte relevante da mala. Chato de carregar porque pesa e é algo que não utlizamos, mas claro, que é fundamental ter e acalma o coração saber que está tudo ali, caso um imprevisto ocorra.

Uma dica, é que vale muito a pena trazer os analgésicos do Brasil. Alguns não são encontrados em outros países, como a dipirona, por exemplo. É fácil comprar paracetamol (Tylenol) e ibuprofeno (Alivium) mesmo sem receita, em vários países, mas muitos não têm as apresentações em gotas que nós temos que são bem mais compactadas. Para uma viagem curta, de férias, não seria um grande problema, mas numa mais longa, cada grama faz diferença pra gente carregar, além da questão dos voos low cost que cobram por peso, pelas bagagens. 

Você também pode gostar deCrianças doentes durante a viagem”


- roupas: levamos o mínimo necessário para nós. Eu aboli a calça jeans, por exemplo, por causa do peso. Dá pra trazer umas 3 leggings ou aquelas calças molinhas com o peso de 1 calça jeans!
Para os meninos, ainda seguimos o esquema do sleep and play que fazemos desde que eram bebês. Clique aqui para ver o post sobre bagagem para viajar com gêmeos. Várias vezes aproveito a roupa que dormiram, para o dia seguinte, o que ajuda a economizar um pouco.

Pegamos um pouco mais de frio no início da viagem, na Nova Zelândia e na Austrália. Logo em seguida nos livramos das roupas mais quente e mantivemos um pouco de roupas de manga comprida e calças para os vôos, e alguns lugares de montanhas. Uns meses depois, chegamos ao norte da China e voltamos e pegar um frio que não esperávamos. Compramos um casaco para os meninos (não havíamos desapegado dos nossos) e temos essas roupas até hoje e estamos usando bastante na Europa. Apesar de passarmos o verão todo por aqui, fomos a países mais gelados, como Noruega e Escócia, além de pegarmos algumas frentes frias pelo caminho. Decidimos então, que teríamos um pouco de roupa para cada estação. Diminuímos as quantidades de casa uma, e seguimos assim. Também compramos uma roupa de chuva para as crianças e tivemos que fazer caber na mala! Como: reduzindo as roupas minhas e do Rafa! As crianças são prioridade.


Os tênis todos já foram trocados pelo menos uma vez. O dos meninos ficaram pequenos e os nossos rasgaram de tanto uso.

Os tênis todos já foram trocados pelo menos uma vez. O dos meninos ficaram pequenos e os nossos rasgaram de tanto uso.

Com relação aos sapatos para eles: Trouxemos 1 tênis e 1 chinelo para cada um. Trouxe 2 tênis pra mim, mas passei 2 meses usando o mesmo, que era o que mais gostava, e desapeguei do segundo no caminho. As crianças também tinham 1 croc, para cada um. Mas na Ásia, trocamos o chinelo e o croc por 1 papete que fez o papel dos 2. Também somamos uma bota de chuva para cada. No Marrocos, não resisti e comprei uma sapatilha pra mim.


- brinquedos: na intenção de fazer os meninos se sentirem mais em casa, trouxemos os brinquedos que sempre levávamos nas férias. Até que são poucos, mas como disse, na soma, cada grama faz diferença. E eles acabaram se apegando a 2 ou 3. Já nos livramos dos outros. Sugiro ver alguns preferidos e pequenos e trocar ao longo da viagem caso comprem ou ganhem novos (em uma possível visita dos avós, por exemplo). Na França, quando fizeram 3 anos, compramos um bicicleta sem pedal para cada um. A ideia era usar apenas no mês que passaríamos por lá. Mas eles amaram, e decidimos carregar pela viagem. Desapegamos de alguns brinquedos que eles haviam ganhado no Natal, diminuímos ao máximo as roupas minhas e do Rafa (juntos temos meia mala de rodinha, o que equivale a uns 10kg) e conseguimos colocar as pequenas bikes na mala! Também, agora que os meninos estão maiores, carregamos materiais para atividades que os distraem não só durante os deslocamentos, mas em casa também, como lápis de cor, massinha, giz, papel, tesoura, cola…

- produtos de uso diário: em todos os lugares do mundo há crianças. Portanto, não precisa trazer estoque de nada. Há shampoo Johnson, protetor solar de marcas conhecidas, fraldas boas (Pampers e/ou Huggies) em todos os lugares. Havíamos lido que no Japão seria difícil encontrar as coisas de bebês com que estamos acostumados, mas encontrei tudo lá, até Pampers. No fim, decidimos desbravar novas marcas e nos surpreendemos positivamente.

Uma coisa que vale trazer um pouco de estoque é repelente. As vezes é difícil entender os rótulos pra ver se cobrem o mosquito da dengue, que também transmite outras doenças (mas se não for a Ásia ou a locais em que haja a doença, a preocupação com esse item pode ser menor). Nós trouxemos Exposis que foi indicado pela dermato e pelo médico do viajante. 

- Mosquiteiro para as camas: o médico do viajante nos recomendou, principalmente para o sudeste asiático. Compramos um bem compacto e levinho na Decathlon e lembro que foi bem barato também. Chegamos a tentar usar, mas foi muito difícil conseguir pendurar, sempre caía… então, desapegamos e não fez nenhuma falta. Nos locais mais problemáticos quanto aos insetos, fechávamos a casa no fim do dia, usávamos muito repelente, inclusive por cima da roupa das crianças e correu tudo bem.

- Eletrônicos: computador, máquina fotográfica, celulares e seus carregadores. No lugar de um HD externo para salvar todos os nossos arquivos, fizemos uma conta na nuvem. Estamos usando o Google Drive e o Google fotos.

Para garantir a segurança de toda a família e também das malas durante a viagem, não esqueça a importância do seguro viagem, compare e contrate no link abaixo. A Real Seguros é um site de busca entre as seguradoras do mercado. Com esse link você pode ganhar 15% de desconto!

https://www.seguroviagem.srv.br/promo/viajeseguro?agency=2005