Dia 14 - Rotorua: Waimangu Volcanic Valley e Waikite Valley Thermal Pools

Saímos pela manhã (que em geral, é a partir das 11h, rs) e fomos visitar o parque geotermal de Waimangu. Fica a 20 minutos de Rotorua no sentido sul, a caminho de Taupos. Passamos a manhã por lá, vendo lagos quentes com fumaça e cheirinho de enxofre. O auge foi a cratera azul bem no meio do parque. A caminhada é bem tranquila. Existem 3 tipos diferentes de caminhos. O primeiro loop é onde estão a maioria dos pontos importantes, e tem 1,5km de distância. Ao final, tem um ônibus que nos levou de volta à entrada e já estava incluso no bilhete da entrada.

IMG_4821.JPG
IMG_4880.JPG

Muito perto dali, fica o Waikite Valley Thermal Pools, que é um lugar para passar o dia nas piscinas de águas quentes. É também um camping e para quem fica hospedado, a entrada para as piscinas é de graça. Os meninos amaram! O Gabriel parecia não acreditar que poderia haver piscinas tão quentinhas. Ele é super friorento. Rs

20180424_171017.jpg

A descoberta de hoje foi de que é possível colocar as mãos nos bolsos! rs

20180424_101106.jpg

24/04/2018

Dia 13 - Rotorua - Blue Lake e Mitai Maori Village

Fizemos uma trilha de 5,5 Km ao redor do Blue Lake, bem pertinho da cidade. No meio tem um ponto para ver a vista em que é possível ver os 2 lagos: o Blue e o Green. O segundo também tem trilhas, mas são bem maiores. Encontramos muitas famílias com crianças pelo caminho. O dia estava nublado e as cores dos algos não estavam como promotido. Rs Mas o caminho foi bem agradável e os meninos aproveitaram e já fizeram a soneca do dia, no canguru.

Passamos pela cidade para comprar o chip do celular do Rafa. Os chips duram 30 dias, por isso, no início da viagem, colocamos no meu celular, e agora, faltando um pouco menos de 30 dias para mudarmos de país, colocamos um no do Rafa. Assim, teremos internet por todo o período. Também colocamos um de cada operadora (vodafone e spark), para tentarmos ter o máximo de abrangência de sinal. Gostamos mais da Spark que teve melhor abrangência de sinal, cabines de wi-fi espalhadas pelas cidades e planos melhores.

IMG_4790.JPG
Sequoia, (red wood) trazida da Calfórnia.

Sequoia, (red wood) trazida da Calfórnia.

Voltamos para o camping, e esperamos até a excursão para a Mitai Maori Village vir nos buscar. Andamos de ônibus uns 10 minutos e chegamos à vila. O passeio foi muito interessante. Vimos uma apresentação sobre as danças, músicas e costumes Maoris, que são os povos originais da região.

IMG_4808.JPG
20180423_180500.jpg

Também tivemos um jantar, feito à maneira Maori,  com assados no chão. Comemos batatas, frango e cordeiro. Apesar de se algo bem turístico, a apresentação foi muito boa e a comida estava uma delícia. Ao final, andamos por uma parte de floresta escura e vimos os famosos glow worms (bichinhos que brilham no escuro). Confesso que essa parte foi um pouco decepcionante porque a quantidade era bem pequena. Mas já deu pra ter uma ideia, caso a gente não consiga ver em outro lugar. Um ponto famoso, que não fomos, para ver essa atração, é a cidade de Waitomo. Tem bichinhos dentro da caverna, o que é ótimo para crianças, porque podem ser vistos durante o dia. A excursão custou NZD$116,00 por adulto, com jantar, sem bebida. Os meninos não pagaram.

Dia 12 - Caminho para Rotorua - Hobbit Movie Set

Gabrielzinho acordou super bem, sem febre já há 2 dias, então resolvemos seguir viagem. Saímos às 10h e pegamos a estrada sentido Rotorua com uma parada na vila dos Hobbits, o local onde foi filmado o Senhor dos Anéis. A estrada é uma graça, cheia de colinas verdinhas, e pequenas fazendas com gado e ovelhas pastando. Quando chegamos, já não havia mais ingressos. O parque é limitado e hoje era domingo. Não havia dado tempo de pesquisarmos direito os detalhes. Achávamos que era algo mais simples, apenas para as crianças brincarem um pouco, numa parada no caminho, mas as entradas custavam NZD$84,00/adulto e nem ficamos tão tristes de não conseguirmos entrar. Almoçamos, esticamos as pernas e seguimos viagem. Já estávamos bem perto de Rotorua. Chegando, fomos direto ao I-site, que é um ponto de informações turística que existe espalhado por todas as cidades turísticas do país. Fomos bem mal atendidos, mas conseguimos tirar algumas dúvidas sobre o que havia pesquisado para fazer por aqui. De lá, fomos para nosso camping e no caminho encontramos um parque cheio de lagos e pedras com fumaças. 

20180422_170808.jpg

O Cosy Cottage Thermal Holiday Parkfica  bem perto do lago Rotorua, com ótima estrutura. Jantamos e descansamos.

Dia 11 - Waikatere

Gabriel já acordou bem melhor, sem febre, tossindo menos. Tomamos café e saímos para procurar o parque que tem o mesmo nome da cidade. Chegamos até a praia de Titirangi. Um lugar calmo, bem bonito, com um parquinho, como sempre é por aqui. Rs.

IMG_4761.JPG

Tentamos fazer uma pequena trilha de 30 minutos, que chegava até essa praia, mas estava fechada, por ter uma árvore caída, bloqueando o caminho. Almoçamos no Road Kitchen Café. A Reserva de Waikatere fica a 40 minutos de Auckland e também pode ser uma boa opção de passeio de bate e volta, em 1 dia. Para chegar, a Scenic Dr, a mesma estrada que chega a Piha, já é um passeio. Voltamos pra casa e dormimos cedo, para nosso baixinho terminar de se recuperar.