É possível viajar pela China com crianças de forma independente

É possível viajar pela China sem um guia ou uma agência?

Templo do Céu, Pequim

Templo do Céu, Pequim

Sim, é possível viajar pela China de forma independente, e ainda ir além do roteiro básico.
Na verdade, não achamos muito diferente de viajar por outros lugares. O mais difícil foi no início, na parte de decidir o roteiro.

O país é muito grande, com belezas naturais e muitos locais históricos que nem sabíamos que existiam. O país vai muuuito além da Muralha e da moderna Xangai.

Yangshuo, Guilin

Yangshuo, Guilin

Como montamos o roteiro da China

Tivemos que fazer uma super pesquisa para entender o que gostaríamos de ver e conhecer ao redor do país. Utilizamos alguns sites de viagem e o principal deles foi o China Highlights. Eles são uma agência de viagem local e no site existem vários roteiros prontos de diversas regiões, que nos deram uma noção muito boa do que havia em cada destino.

Buda Gigante, Leshan

Buda Gigante, Leshan

Depois do roteiro definido, tudo correu como em qualquer país: vôos e passagens de trem compradas pela internet (clique aqui e veja detalhes de como utilizar os trens na China). Hotéis e Airbnb reservados pelos aplicativos. Sim, eu disse Airbnb. Em Pequim, Xangai ficamos em ótimos apartamentos, muito bem localizados e com anfitriões muito prestativos e atenciosos e que falavam inglês. Em Chengdu ficamos em um flat que reservamos pelo booking, porque lá há uma restrição com relação ao Airbnb.

Jingshan Park, Pequim

Jingshan Park, Pequim

Hospedagem na China

E sobre os hotéis? Não, não ficamos em redes internacionais, até porque nosso budget de viajantes de longo prazo não nos permitia. Ficamos em muitos hoteizinhos pequenos e aconchegantes, dirigidos por famílias chinesas muito simpáticas e amáveis que sempre tinham 1 ou 2 membros que falavam inglês. Na minha opinião, a melhor dica para hospedagem não são os hotéis internacionais (que muitas vezes têm um atencimento mais frio e nem tão bons) e sim analisar bem as avaliações dos sites de pesquisa. Lembrando que não basta a qualidade da avaliação, mas também a quantidade delas, para que sejam mais confiáveis!

Quando chegamos à China, usamos nosso VPN Express e tudo funcionou normalmente (com uma certa lentidão e um pouco mais de burocracia, já que antes de qualquer pesquisa precisávamos verificar a conexão do VPN). De qualquer forma, pudemos pesquisar, os passeios, comprar novas passagens para as viagens de bate e volta, usar o google maps para fazer os trajetos a pé e de transporte público...enfim, tudo como fazemos em outros países.

Sobre não falar chinês e como nos viramos

Em todos os principais pontos turísticos há indicações, mapas e resenhas em inglês. Os atendentes falam e entendem o suficiente para conseguirmos comprar o necessário. Nos restaurantes, muitos cardápios têm foto e/ou a tradução em inglês. Na falta de tudo isso, todo mundo tem um tradutor a postos no celular, e nós tínhamos também! : )

Resumindo, a China é uma lugar incrível e muito possível de ser visitado de forma independente como qualquer país. Também, como qualquer país, tem suas peculiaridades e claro, que passamos alguns perrengues, que viraram histórias engraçadas a serem lembradas depois.

Muralha - Ancient Badalin

Muralha - Ancient Badalin